Pré-escola II

 A agrupada 1 B recebe crianças entre três e quatro anos. Ao completar três anos, o aluno alterna muito entre o bebê que está deixando de ser e a criança de quem já se pode esperar um pouco mais de maturidade. A criança dessa idade é ativa, barulhenta, egocêntrica, tem humor variável e são freqüentes os acessos de raiva quando contrariada. Confunde realidade e fantasia e é comum ter medo de escuro, de trovão, do médico, entre outros. Mantém contatos amistosos com adultos, é espontânea e aprecia carinhos e elogios. Torna-se um pouco menos dependente para se alimentar, vestir algumas peças de roupa e nos cuidados com a higiene, mas mostra-se ainda dependente em situações de dificuldade, principalmente na resolução de dasavenças com outra criança.

Demonstra gostar da companhia dos colegas, mantendo contatos mais prolongados com eles, apesar de ainda brincar individualmente. Aceita e faz carinho, troca objetos e colabora eventualmente, variando o grupo de acordo com a brincadeira. São ainda comuns as disputas por brinquedos, pela atenção do adulto e as agressões físicas, que tendem a diminuir e dar lugar às ameaças, chantagens e agressões verbais.

Jogos e brincadeiras como "Morto e vivo", "Macaco mandou", "Coelhinho na toca", "Meus pintinhos venham cá", além de atrativos e interessantes, favorecem o domínio do corpo e contribuem para a aquisição de regras sociais básicas.

As brincadeiras coletivas e individuais são fundamentais para o desenvolvimento afetivo, cognitivo e psicomotor, além de permitirem a convivência social, quando contam com a participação ativa da criança. É importante incentivar a criança a combinar e transformar objetos e situações, e não fazer dela um espectador passivo e sem iniciativa.

Exercícios de equilíbrio e de ginástica com partes discriminadas do corpo, brincadeiras com bolas, brincadeiras que associam música, enriquecem o trabalho de psicomotricidade.

Brincar com os jogos e brinquedos pedagógicos, armar quebra-cabeças, brincar com contas grandes e médias, amassar e rasgar papéis, usar tesoura, folhear livros e revistas, fazer dobraduras e alinhavos simples, favorecem o desenvolvimento dos movimentos manuais.

Brincando, a criança se prepara para atividades mentais complexas. Nos contatos com brinquedos e nas pesquisas de atividades combinadas, ela aprende a concentrar-se, a atingir um objetivo e adquire as primeiras noções de ordem e atenção.

Conversas informais sobre assuntos de interesse motivam a criança a expressar-se verbalmente, a ouvir e a integrar o que é dito ao contexto do grupo. Transmitir pequenos recados a colegas e adultos é uma das habilidades que começam a ser desenvolvidas nessa época.

A literatura infantil ajuda a criança a compreender as pessoas e o mundo que a cerca, a satisfazer suas necessidades básicas de segurança intelectual e emocional, a adquirir conhecimentos, a ampliar experiências e a desenvolver o gosto estético, a fantasia e a imaginação. Estimula o interesse pela leitura e a flexibilidade de raciocínio.

Versos e quadras, pequenas poesias e rimas motivam e prendem a atenção das crianças. Contos e músicas de diferentes tipos e ritmos, joguinhos de linguagem e de imitação, mímica e dramatizações, atividades com sacos de surpresa, entre outras, contribuem, de forma lúdica, para que os objetivos nessa área sejam alcançados.

As atividades de artes plásticas estimulam o desenvolvimento da criatividade, da imaginação e da percepção de diferentes texturas. Nelas a criança entra em contato direto com materiais convencionais: papel, lápis cera, tinta guache, nanquim, argila, massa de modelar, cola e giz entre outros, e não convencionais: areia, pedras, sucatas.

As atividades de vida diária e suas rotinas de alimentação, higiene e sono, garantem a manutenção de hábitos e favorecem o aprender a "fazer sozinho".

São mantidos os estímulos para a criança lavar as mãos e o rosto, limpar o nariz e usar o vaso sanitário; para vestir-se e alimentar-se sozinha, de forma organizada, usando o guardanapo e talheres de forma adequada; para colaborar na organização e limpeza da mesa e chão após as refeições e para ter cuidado com os objetos pessoais e o ambiente.

Nesse segmento a criança alimenta-se sozinha, coloca e tira peças de roupa, calça e descalça sapatos, controla os esfíncteres e tenta escovar os dentes. Não costuma dormir depois do almoço e a chupeta é um objeto já quase esquecido.

A preocupação com a saúde continua: o ambiente arejado e limpo, a prevenção de doenças, a dieta rica e balanceada, são prioridades de nossas pediatra e nutricionista. Dificuldades alimentares, caso existam, são comunicadas através da agenda. Afastamentos por doenças são necessários como medida protetora e preventiva

Educação Infantil
topo